segunda-feira, outubro 30, 2006

Resumindo



O que aconteceu foi que eu trabalhei feito uma condenada na semana passada. Trabalho tipo ir fazendo algo na van até a Barra e começar a labuta enquanto pendurava o crachá no pescoço. No elevador, quem me esperava já estava com um maço de planilhas na mão. Hard até a hora do almoço, quando eu aproveitava os terminais vazios para mandar textos revisados de um livro, de uma às duas. Terminado o almoço, mais trabalho, caçando gente e informação por três andares até as oito, nove horas da noite. Mais uma viagem de uma hora da Barra até o Flamengo, baldeação em Laranjeiras para mais duas horas de trabalho e, finalmente, desmaiar na cama, às duas da manhã - para recomeçar tudo às cinco e meia do dia seguinte.

Então, eu não li jornal, não vi televisão. Não falei de absolutamente nada a não ser trabalho. E no sábado, depois de despachar as meninas depois do almoço e fazer o serviço de casa atrasado - porque Murphy não falha, e a filha da minha empregada está com rubéola e ela não foi trabalhar - deitei às quatro da tarde para dar uma cochiladinha. Acordei domingo, na hora do almoço. Comi, deitei de novo e dormi. Acordei às cinco, tomei banho, as meninas chegaram, lanchamos, arrumei bolsa e mochilas e dormi - às oito da noite.

Ressaca. Boca seca, pernas doloridas, a mente vazia de dar dó. E mooooontes de trabalho atrasado.
E no sétimo dia, consegui ressuscitar.
Amém.

2 comentários:

Ana disse...

Oba!!!!!!!!!!!!
Estava com saudades!!!!

Cris disse...

o bom é que você es´tá aí, inteirinha pra contar a história...